sexta-feira, 17 de julho de 2020

Mais de 14.000.000 de casos de Covid-19 no mundo. Em 5 dias, mais um milhão de casos. Submissão aos EUA, via ações ilegais da Lava jato com o FBI e pagamento de militares para trabalharem em benefício dos EUA, é a marca registrada do desgoverno militar, que leva o “Brasil acima de todos...” na tabela mundial de Covid-19


Mais de 14.000.000 de casos de Covid-19 no mundo. Em 5 dias, mais um milhão de casos. Submissão aos EUA, via ações ilegais da Lava jato com o FBI e pagamento de militares para trabalharem em benefício dos EUA, é a marca registrada do desgoverno militar, que leva o “Brasil acima de todos...” na tabela mundial de Covid-19



Em 5 dias, mais 1 milhão de casos de Covid-19 no mundo.
Pela média, mundo chegará a 20 milhões de infectados em menos de um mês.


Em apenas 5 dias, Mundo saltou de 13 milhões para 14 milhões de casos de #COVID19

Mais de 14.000.000 de casos de Covid-19.
Brasil tem mais de 2 milhões de infectados. Mais de 76 mil mortos.
“Brasil acima de todos” na tabela mundial de Covid-19. #BrasilAcimadeTodosnaTabelaMundialdeCovid19

“Ministério de Falta de Saúde” ou “Quartel”?
Negacionistas e fanáticos inviabilizam o combate à doença. O Coronavírus, exultante, agradece a bolsonaro.
Países que enfrentaram a epidemia auxiliados pelas diretrizes científicas, ao contrário do Brasil, estão voltando às atividades paulatinamente.
Militares no Ministério da Saúde são uma anomalia típica de regimes autoritários. Deveriam estar nos quartéis.
Enquanto o Ministério da Saúde estiver coalhado de militares, inabilitados na área médica e científica, a referida instituição poderia trocar de nome: "Ministério de Falta de Saúde" ou, simplesmente, "Quartel".
Fora, bolsonaro. Ninguém aguenta mais seu desgoverno militar.

Submissão aos EUA
Pagamento de militares brasileiros para servir aos Estados Unidos.


Mundo: 14.003.442 casos de Covid-19 (17/07/2020, com 593.890 mortes), após 5 dias de atingir o décimo terceiro milhão (08/07/2020).

O primeiro milhão de casos foi alcançado em 02/04/2020 (com 51.354 mortes), 82 dias depois do início da pandemia: 10/01/2020.
O segundo milhão de casos foi alcançado em 15/04/2020 (com 127.587 mortes), 13 dias depois do primeiro milhão.
O terceiro milhão de casos foi alcançado na manhã de 27/04/2020 (com 207.265 mortes), 12 dias depois do segundo milhão.
O quarto milhão de casos foi alcançado em 08/05/2020 (com 275.914 mortes), 11 dias depois do terceiro milhão.
O quinto milhão de casos foi alcançado em 20/05/2020 (com 325.239 mortes), 12 dias depois do quarto milhão.
O sexto milhão de casos foi alcançado em 29/05/2020 (com 366.039 mortes), 9 dias depois do quinto milhão.
O sétimo milhão de casos foi alcançado em 07/06/2020 (com 402.683 mortes), 9 dias depois do sexto milhão.
O oitavo milhão de casos foi alcançado em 15/06/2020 (com 436.130 mortes), 8 dias depois do sétimo milhão.
O nono milhão de casos foi alcançado em 21/06/2020 (com 468.602 mortes), 6 dias depois do oitavo milhão.
O décimo milhão de casos foi alcançado em 27/06/2020 (com 498.952 mortes), 6 dias depois do nono milhão.
O décimo primeiro milhão de casos foi alcançado em 03/07/2020 (com 524.743 mortes), 6 dias depois do décimo milhão.  
O décimo segundo milhão de casos foi alcançado em 08/07/2020 (com 547.808 mortes), 5 dias depois do décimo primeiro milhão. 
O décimo terceiro milhão de casos foi alcançado em 12/07/2020 (com 571.242 mortes), 4 dias depois do décimo segundo milhão. 
O décimo quarto milhão de casos foi alcançado em 17/07/2020 (com 593.890 mortes), 5 dias depois do décimo terceiro milhão. 

Oficialmente, o Brasil tem 2.015.382 casos (2º lugar no mundo), com 76.846 mortes (sendo que há estimativas de que os números reais devam ser superiores a 20.000.000 de casos, pois a quantidade de testes realizadas no país é irrisória). 

Contexto do pesadelo neofascista
Com a eleição fraudada de bolsonaro (campanha financiada ilegalmente por empresas, disseminação de fake news em massa transformando o WhatsApp em esgoto da extrema-direita), Brasil foi arremessado para o abismo por sua elite parasitária e predatória.
Todos os dias, “cidadãos de bem” aparecem em rede nacional com seus defeitos especiais. É a derrocada explícita da hipocrisia dos “modelos” vendidos pelo marketing barato da manipulação social, ora incapaz de esconder a nulidade promovida a paradigma. A camuflagem desaba e o sujeito fica nu, mesmo vestido com suas camisas verde-amarelas, apropriadas pelo fascismo e, portanto, sem serventia nem mesmo como pano de chão.

Como foram incubadas essas criaturas moldadas para o neofascismo?
O método de controle é o capitalismo de vigilância. As “plataformas” de grandes conglomerados, por algoritmos, robôs e análise de big dados, direcionam àquelas figuras propaganda “individual”, na qual ocorre identificação com as narrativas de fragmentos de si mesmas, gentilmente fornecidas em suas redes sociais, mas construídas no intuito de conduzir multidões a condutas predeterminadas pelo grande capital.
Conhecendo as intimidades dos fornecedores de dados, que acríticos e despreocupados em seus confessionários eletrônicos confidenciam suas entranhas nas redes sociais (coleta), as referidas empresas processam e analisam os dados entregues pelas vítimas. Ao produzirem e organizarem acervos gigantescos de perfis e comportamentos de bilhões de pessoas (datificação), Facebook, WhatsApp, Twitter, Instagram, Google e outras, têm condições de prever nossos passos seguintes. Com isso, mercantilizam os dados, pois podem se antecipar (predição) ao saber como as pessoas vão agir. A riqueza de dados é um tesouro. E, como tal, vendido a alto preço.
A “mágica” desse comércio não se restringe a produtos físicos. Ela tem permitido, também e principalmente, a interferência indevida, ilegal e assimétrica em processos políticos, elegendo chapas de extrema-direita ao redor do mundo.
Ao conhecer a intimidade das pessoas, seus medos e inseguranças, as propagandas dirigidas invadem as almas de vulneráveis, incapazes de compreender que seu cárcere digital foi construído com os tijolos fornecidos por elas mesmas, ao exporem, inadvertidamente, suas relações e afetos, cujo conhecimento é muito mais amplo por parte daquelas empresas do que pelos que sofrem o voyeurismo digital do Estado totalitário capitalista.
Por isso, os prestidigitadores precisam de maneira avassaladora da produção de fake news para administrar comportamentos diametralmente opostos aos interesses reais dos indivíduos, de tal forma a fazer com que eles passem a defender pautas antagônicas aos próprios objetivos básicos de sobrevivência: redução ou eliminação de direitos (reformas trabalhistas e previdenciárias); tomar medicação não certificada por cientistas e médicos (desovar estoques de remédios fabricados em grande escala e que, sem efeitos para Covid-19, por exemplo, são invendáveis); votar em incapazes e inábeis (“A previsão é não chegar a 800 mortos [no total] no tocante ao Coronavírus.”); arrotar suposto patriotismo a cada instante (quando, na prática, executa entreguismo desvairado); e a montanha de insanidades (deliberadamente arquitetadas pela ditadura) que nos assombram cotidianamente.


Tarefa de democratas
Derrotar o fascismo e voltar a respirar livremente.
Crias leis de proteção de dados.
Combater fake news e seus efeitos deletérios.
Construir uma sociedade livre, justa e soberana.


Corolário

Para se respirar, o país deve passar por um processo de desfascistização.
Ou seja, desbolsonarizar o Brasil é exigência civilizatória.

Siga a Ciência. Ignore os idiotas e seus chefes.

Assim como outras doenças, a #Covid_19 será derrotada pela Ciência e pela perseverança de pesquisadores.
E essa vitória será mais rápida com a simultânea derrota do arquifascista que nos inferniza de manhã, à tarde e à noite.

A luta continua!
Vamos nos livrar do ídolo do coronavírus.

Quando acabar o pesadelo, vamos comemorar com pão (o símbolo da solidariedade) e vinho.
E quando esse dia chegar, abrace, beije e ame muito seus amig@s.

*****

#ForaBolonaro
#EleiçõesGeraisJá

Colabore com o Blog do Agenor Bevilacqua Sobrinho



*****


Conheça também:


Se a cadela do fascismo está sempre no cio,
a luta antifascista deve ser constante.




Como encontrar os livros da Editora Cia. Fagulha:




Livraria Augôsto Augusta
Rua Augusta, 2161

Livraria Blooks
Shopping Frei Caneca - Rua Frei Caneca, 569 / 3º Piso

Livraria Zaccara
Rua Cardoso de Almeida, 1356


Caso preferir, envie sua consulta para o e-mail: atendimento@ciafagulha.com.br

Tel.: (11) 3492-3797


Nenhum comentário:

Postar um comentário