segunda-feira, 30 de abril de 2018

Sérgio Moro na cadeia



Sérgio Moro na cadeia.

 Caso o Brasil volte a ter um mínimo de regras democráticas:
A hora da verdade se aproxima do "juiz" de piso de Curitiba.
 


Cúmplice do golpe de Estado de 2016, o Poder Judiciário está desmoralizado e desacreditado. 

A perseguição ao ex-presidente Lula é acintosa e representa o desmascaramento da fantasia retórica da “lei para todos” e “respeito à Constituição”.

Constantemente ultrajada e vilipendiada pelas oligarquias, a Constituição é diuturnamente desfigurada para atender aos anseios de uma elite nostálgica pelo restabelecimento formal da escravidão, para que a “plebe volte a seu lugar natural”.

Figuras inexistentes no direito brasileiro, como, por exemplo, “propriedade atribuída a Lula”, são criadas com a desfaçatez própria daqueles que sabem que usufruirão do beneplácito e acolhida de comparsas golpistas bem posicionados na estrutura repressiva do Estado.

Não há no tríplex “atribuído a Lula” nenhuma reforma, móveis, elevador privativo, ou seja, algo que justificaria os tais gastos de mais de “R$ 2 milhões”. Na verdade, os itens observados ali estão muito longe dos valores declarados no processo.

Como a realidade não confirma a sentença, dane-se o factual: os desembargadores agravam a sentença de 9 para mais de 12 anos.

Vistorias e perícias nas alegadas reformas do “luxuoso tríplex”? Não, o juiz Moro não permite.

As notas fiscais da “reforma”, curiosamente, vieram de empresas de Curitiba que teriam “executado serviços” e alicerçado a sentença do juiz de piso de Curitiba.

O STF, sujeitando-se à estratégia de Carmen Lúcia, deixa de apreciar a questão em abstrato da prisão em segunda instância para se debruçar de má vontade sobre o caso específico de Lula, e nega o habeas corpus impetrado por sua defesa, “acreditando na sentença, na instrução criminal, no juiz Moro e no colegiado do TRF-4”, afirma o advogado Joelson Meira.

“O Presidente Lula é preso em Curitiba, e começam manifestações em todo o país denunciando a farsa da prisão, a fragilidade da denúncia, a manipulação da justiça”, conforme o advogado Joelson Meira.

A mídia, que abandonou o jornalismo e dedica-se à ficção canhestra, mostrou um apartamento decorado absolutamente incompatível com o que a ocupação do MTST comprovou: não há luxo, reforma ou quaisquer coisas que nem remotamente se aproximam do embuste produzido pela farsa judicial.

O apartamento “maravilhoso” na realidade é um “muquifo”. E, pior ainda, não é de Lula, mas, sim, da OAS.

“As notas fiscais são de empresas de militantes do PSDB de Curitiba, que não realizaram quaisquer reformas em Guarujá-SP”, sustenta o advogado Joelson Meira.

Não comprovadas as acusações, se explicita o papel vexatório da “justiça”. E isso obriga a declarar nulo todo o processo do juiz Moro.

Como corolário, “processos disciplinares e punição exemplar aos envolvidos nessa fraude primária, cujo intuito foi condenar um ex-presidente e líder nas pesquisas para impedi-lo de retornar à Presidência nas eleições de outubro de 2018”, finaliza o advogado Joelson Meira.



Confira:

Jango – Documentário de Sílvio Tendler

 

O dia que durou 21 anos - COMPLETO

 

Fãs(cistas) de Moro, Bolsonaro e Globo cometem atentado a tiros contra acampamento Marisa Letícia em Curitiba

 

Exclusivo: Dilma Rousseff no Democracy Now! (Em Português)

 

Filme O desafio, de Paulo Cezar Saraceni

 

O Golpe de Estado de 2016 e o Futuro da Democracia no Brasil - UERJ. Aula inaugural com Ricardo Lodi e Emir Sader

 

O Golpe de 2016 e o futuro da democracia. Entrevista com Luís Felipe Miguel

 

Curso Livre “O Golpe de 2016 e a Educação no Brasil” – Aulas 1 a 5 - Faculdade de Educação – UNICAMP

 

A violência do direito. Por Durval Muniz

 

ADUSP emite Nota de repúdio à nomeação de Marco Antonio Zago como secretário estadual da Saúde

 

Eugênio Aragão - Lula é elegível e tem legitimidade para recuperar a Constituição e defendê-la dos ataques e vilipêndios dos golpistas

 

Carta Aberta ao Presidente Lula. Por Flávio Aguiar

 

Vade retro, Bolsonaro 666

 

Revista Alfafa alerta contra grupos terroristas que ameaçam invadir o Brasil e sequestrar a produção de alfafa

 

Mesada do Mineirinho - entregador do dinheiro afirma que Aécio era o mais chato na cobrança de propina

 

Moro, desembargadores do TRF-4, a farsa da sentença do tríplex do Guarujá e as "armas de destruição em massa" inventadas pelos golpistas


Marilena Chauí - Classe média está arrependida da farsa do impeachment

 

Eleição sem Lula é fraude

 

PSDB é de extremo-cinismo. #PiadaPronta

 

Soberania

 

Carta de Berlim: A hora e a vez de Luiz Inácio. Por Flávio Aguiar

 

Judiciário

 

Temer e a segurança pública

 




Confira também:

Os livros da Editora Cia. Fagulha podem ser adquiridos diretamente pelo site da editora ( www.ciafagulha.com.br ) ou na Livraria Augôsto/Augusta (Rua Augusta, 2161 - São Paulo-SP)







Nenhum comentário:

Postar um comentário