terça-feira, 17 de abril de 2018

Eleição sem Lula é fraude


Eleição sem Lula é fraude

Motivo da prisão de Lula:
Incompatibilidade do neoliberalismo com a democracia.
Ontem (golpe de 1964) como hoje (golpistas de 2016 e a vergonhosa sessão presidida pelo bandido Eduardo Cunha) a direita não tem a maioria de votos.
A direita (cujos líderes corruptos são apresentados como “santos” pela Globo) perdeu as eleições presidenciais 4 vezes seguidas: 2002, 2006, 2010 e 2014.
Inconformada com o repúdio popular consecutivo nas urnas ao seu programa antinacional, antipopular e antidemocrático, a direita se articulou no Brasil e com apoio estrangeiro para assaltar o poder com um golpe de Estado.
4 vezes! Uma depois da outra, o povo barrou nas urnas o programa de retrocessos que a direita impôs com o golpe: revogação das leis trabalhistas e sociais (a carteira de trabalho sendo rasgada ou na lata de lixo, enquanto os burgueses festejam).
Revelando o que pensa sobre a “modernidade das relações entre capital e trabalho”, o empresário Benjamin Steinbruch afirma que: “nos EUA o sujeito segura o lanche com uma mão e opera a máquina com a outra”.
Entreguismo desvairado e maracutaias abençoadas em nome da família, de Deus e da propriedade. Negociatas que fariam corar Al Capone.
É a ditadura neoliberal pisoteando direitos fundamentais. E acelerando o grande acordo da corja golpista: Com o Supremo, com tudo!
Tudo sob os aplausos e a cumplicidade do Judiciário, do Parlamento, do MP, da PF, da mídia oligopolizada.
Analfabetos políticos — trouxas, patos, manifestoches, mané-festantes, ou são apenas patriotas do estrangeiro? — cantavam suposto patriotismo, enquanto a quadrilha golpista avançava despudoradamente sobre os cofres públicos e sobre o patrimônio nacional (entregando a Embraer, o Pré-sal, o Aquífero Guarani, a Base de Alcântara, a Eletrobras etc. às multinacionais).
Desemprego galopante.
Destruição da indústria naval.
Destruição da engenharia pesada.
Humilhação de um povo que começava a tocar concretamente na esperança de dias melhores.
Os golpistas (encastelados no Supremo, no Parlamento, no MP, na PF, na mídia) não querem eleições livres. Para continuar destruindo direitos históricos de trabalhadores/as, os fascistas arquitetaram a farsa judicial sem provas, apenas com “convicções” e abundância de lawfare, ou seja, tomam partido na luta de classes.
A canalha sem votos (cleptocrata e impune) inventa e trombeteia pela mídia piguiana que o principal problema do país seria a “corrupção” (é o cinismo erguendo monumentos à hipocrisia).
Enquanto os estudiosos sérios apontam a desigualdade social como o cerne da equação dos entraves do país, cuja resolução desenvolverá o Brasil com igualdade e justiça.
Os golpistas repudiam a democracia, pois o povo, quando pode se expressar livremente, repele os ataques dos opressores.
Os usurpadores sabem que se houver eleições livres, o povo irá reconhecer e honrar Lula e sua equipe para cumprirem a tarefa árdua e espinhosa de reconstruir o Brasil.
ELEIÇÃO SEM LULA É FRAUDE!

 

Dos Quintos dos Infernos, Goebbels parabeniza farsa judicial de Moro:

Você me superou, Moro.
Essa historinha mequetrefe do triplex 'atribuído' ao Lula é conhecida, mas você teve a Globo para ir além.
Ao Führer, vou recomendá-lo para o lugar do oficial da S.S. Adolf Eichmann.
Heil, Moro!
 

 

Confira:

PSDB é de extremo-cinismo. #PiadaPronta

 

Soberania

 

Carta de Berlim: A hora e a vez de Luiz Inácio. Por Flávio Aguiar

 

Judiciário

 

Temer e a segurança pública

 




Confira também:

Os livros da Editora Cia. Fagulha podem ser adquiridos diretamente pelo site da editora ( www.ciafagulha.com.br ) ou na Livraria Augôsto/Augusta (Rua Augusta, 2161 - São Paulo-SP)






Nenhum comentário:

Postar um comentário