quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

EXCLUSIVO: Maria Sílvia Betti, professora da FFLCH-USP, lança Dramaturgia Comparada Estados Unidos / Brasil: Três estudos, pela Editora Cia. Fagulha


EXCLUSIVO:
Maria Sílvia Betti, professora da FFLCH-USP, lança
Dramaturgia Comparada Estados Unidos / Brasil: Três estudos
pela Editora Cia. Fagulha
2017
Foto da capa:
Atriz Thaia Perez, participante da encenação de A entrevista, de Jean-Claude van Itallie, pelos alunos do segundo ano do Curso de Interpretação do Conservatório Nacional de Teatro, no Rio de Janeiro, em 1969.

Três estudos: Eugene O'Neill, Tennessee Williams e Jean-Claude van Itallie.
“Mesmo um levantamento não exaustivo das encenações de peças estadunidenses realizadas no eixo São Paulo-Rio de Janeiro mostra que, entre o segundo pós-guerra e a primeira metade dos anos 60, praticamente todos os principais diretores e companhias do país levaram à cena, em algum momento, peças do moderno repertório estadunidense, seja dos dramaturgos hoje ditos “canônicos”, seja de outros que tiveram notoriedade nessa fase especificamente. Os espetáculos apresentados foram objetos de críticas teatrais nos principais jornais da época, e algumas das montagens chegaram a percorrer outros estados e regiões do país. Esse aporte da moderna dramaturgia estadunidense no Brasil coincidiu, em sua fase inicial, com o período em que o país passou pelas mais profundas e aceleradas transformações econômicas, políticas, sociais e culturais de sua história.
A matéria social figurada nessas peças remetia a situações históricas e econômicas ainda recentes no Brasil do início da década de 50, e que se ligavam, por exemplo, às condições de vida e subsistência nos grandes centros urbanos e industriais em expansão, às transformações no mundo do trabalho, ao crescente isolamento e alienação dos indivíduos na sociedade capitalista contemporânea e ao empobrecimento progressivo dos padrões de convívio. Eram questões prementes e em larga medida intocadas pela dramaturgia brasileira até aquele momento; tomá-las como matéria de criação era um desafio para as gerações de dramaturgos que então despontavam, e isso, em alguma medida, contribuía para o crescente interesse sobre a dramaturgia estadunidense moderna.”
 
Maria Sílvia Betti é professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo desde 1997.
É autora de Oduvaldo Vianna Filho (Edusp/FAPESP); organizadora de Patriotas e traidores. Anti-imperialismo, política e crítica social, compilação de escritos anti-imperialistas de Mark Twain, e de O povo do abismo. Fome e miséria no coração do império britânico. Uma reportagem do início do século XX, de Jack London (ambos pela Editora Fundação Perseu Abramo); tradutora de Brecht e a Questão do Método, de Fredric Jameson (Cosac & Naify); e prefaciadora de Mr. Paradise e outras peças em um ato e de 27 carros de algodão e outras peças em um ato (Editora É Realizações), antologias de peças em um ato do dramaturgo estadunidense Tennessee Williams.
É líder do Grupo de pesquisa: Estudos histórico-críticos e dialéticos de teatro estadunidense e brasileiro (Credenciado pelo CNPq).
O trabalho que compõe este volume foi apresentado em seu concurso de Livre Docência, realizado em 2016.


Atualizado em: 17/01/2018

SERVIÇO:
Preço de capa: R$ 45,00
Preço de lançamento: R$ 40,00

Reservas:

Informações:
(011) 3492-3797

Detalhes do Produto
Origem: Nacional
Editora: Cia. Fagulha - www.ciafagulha.com.br
Edição: 1
Ano de Edição: 2017
Assunto: Dramaturgia Comparada
País de Produção: BRASIL
ISBN: 978-85-68844-03-8
Encadernação: Brochura
Altura: 21 cm
Largura: 14 cm
Peso: 0,46 kg, aproximadamente
Número de Páginas: 360





Confira também:

a) Os livros da Editora Cia. Fagulha podem ser adquiridos diretamente pelo site da editora:



b) Na Livraria Martins Fontes Paulista
Av. Paulista, 509 - São Paulo-SP
Tel.: (11) 2167-9900;
c) E na Livraria Augôsto/Augusta
Rua Augusta, 2161 - São Paulo-SP
Tel.: (11) 3082-1830.



Nenhum comentário:

Postar um comentário