domingo, 30 de outubro de 2016

Brecht e o golpe. Debate sobre arte e política. Pinacoteca de São Bernardo do Campo, 05/11/2016, 16h



Brecht e o golpe.
Debate sobre arte e política. 
Pinacoteca de São Bernardo do Campo, 05/11/2016, 16h
 

 Entrada franca.
Lançamento de dois livros de Agenor Bevilacqua Sobrinho (dramaturgo e doutor em Artes Cênicas pelo CAC/ECA-USP): Atualidade/utilidade do trabalho de Brecht e A Lente.

O autor discorre sobre a importância do trabalho de Brecht hoje, bem como aborda a intervenção cênica relativamente ao golpe de 2016.

Onde:
Pinacoteca de São Bernardo do Campo
R. Kara, 105 - Jardim do Mar, São Bernardo do Campo - SP, 09750-380
(11) 4125-4056

Quando:
05/11/2016, 16h.

Entrada:
Grátis


Lançamento do livro

Atualidade/utilidade do trabalho de Brecht: uma abordagem a partir do estudo de quatro personagens femininas [A mãe (1931), A alma boa de Setsuan (1938-1940), O círculo de giz caucasiano (1943-1945) e O processo de Joana d’Arc em Rouen, 1431 (1952)].

Autor: Agenor Bevilacqua Sobrinho
Prefácio: Flávio Aguiar
Editora: Cia. Fagulha
(11) 3492-3797
ISBN: 978-85-68844-01-4

Onde:
Pinacoteca de São Bernardo do Campo
R. Kara, 105 - Jardim do Mar, São Bernardo do Campo - SP, 09750-380
(11) 4125-4056

Quando:
05/11/2016, 16h.


Entrada:
Grátis


SINOPSE

[Brecht tinha] consciência de que seu esforço era o de associar a mais rigorosa militância política com a mais alta exigência estética no campo do teatro, da poesia e do ensaio, que foram as modalidades criativas a que mais se dedicou. Foi esta conjunção que deu ao trabalho de Brecht a condição de uma navalha crítica, dissecando com precisão absoluta, tendo como alavanca e fulcro o método marxista de análise da sociedade, dos dramas do capitalismo do seu tempo, e do cerne mesmo da metodologia capitalista de exploração social de muitos por poucos.


Esta é a navalha que Agenor procura circunscrever em sua tese acadêmica, agora transformada em livro. Recorrendo ao método brechtiano de inserções provocativas, exemplifica como os problemas do capitalismo no “Zeitgeist” totalitário dos anos 20, 30 e 40 do século passado, permanecem e até mesmo, em alguns casos, ampliam-se no capitalismo pós-moderno do começo do século XXI. A percepção do momento histórico atual, com especial atenção para o nosso espaço brasileiro, se agudiza pelo seu espelhamento nas peças de Brecht, com especial atenção para as personagens femininas, mostrando como estas obras, com seu mergulho nas raízes do capitalismo, identificam constantes inerentes aos caminhos da exploração de classe como meio da acumulação privada da riqueza social.


No caminho desta leitura tão rica e sugestiva, Agenor enfrenta com coragem e determinação as “profecias sobre o passado” que vaticinam o suposto “anacronismo” de Brecht e de seu teatro, e que mal disfarçam um pertinaz preconceito antimarxista. A este “Conservatório da Orquestra Conservadora”, Agenor responde com a navalha de seu próprio pensamento afiado.


[Trecho do prefácio de Flávio Aguiar]



Lançamento do livro

A Lente.

Autor: Agenor Bevilacqua Sobrinho
Estudo introdutório: Maria Sílvia Betti
Editora: Cia. Fagulha
(11) 3492-3797
ISBN: 978-85-68844-02-1


Onde:
Pinacoteca de São Bernardo do Campo
R. Kara, 105 - Jardim do Mar, São Bernardo do Campo - SP, 09750-380
(11) 4125-4056

Quando:
05/11/2016, 16h.


Entrada:
Grátis


SINOPSE

A Lente é um trabalho que remete ao conceito brechtiano de ação, entendido não apenas como o produto de um pensamento criador politicamente empenhado, mas como proposta de um olhar crítico desejoso de intervir na sociedade à sua volta.

A peça utiliza a forma épica, coerente com a natureza das questões coletivas de que trata: seu foco crítico são os mecanismos de controle social e ideológico direta ou indiretamente ligados à retórica do Estado na presente fase do capitalismo no contexto nacional.

As personagens são não apenas os que habitam os bolsões de pobreza da megalópole, mas também aqueles que, em plena esfera da representação política nacional, aplicam seus golpes. Fazendo uso dos recursos da sátira e da paródia, o espetáculo expõe os malabarismos de raciocínio que embasam argumentos destinados a “justificar” o uso privado de dinheiro público, a manipulação de cargos e interesses, a revogação dos direitos trabalhistas e a implementação de projetos destinados a multiplicar os vencimentos de seus próprios proponentes.

O texto caracteriza-se como um trabalho de natureza não apenas crítica e reflexiva, mas ao mesmo tempo fortemente propositiva e disposta a prosseguir no caminho de um teatro abertamente político como perspectiva de reflexão e de construção do pensamento.

[Trecho do estudo introdutório de Maria Sílvia Betti]
CAC-ECA-USP
FFLCH-USP




Confira:

 

Quero colaborar com o Blog do Agenor Bevilacqua Sobrinho

 

Atualidade/utilidade do trabalho de Brecht e o golpe de 2016 - Espaço Redimunho, 29/10/2016, 16h

 

RESENHA do livro “O RATO PENSADOR”, por Maria Sílvia Betti

 

A Guerra de Yuan, de Agenor Bevilacqua Sobrinho. Prefácio de Mayumi Denise Senoi Ilari – FFLCH-USP

 

Saiba onde comprar A Guerra de Yuan e O Rato Pensador, de Agenor Bevilacqua Sobrinho

  

 

 

Confira também:

 

José Serra - #Meritocracia reconhecida até na Suíça. #ÉdoPSDB?TáLiberado!Morô?

 

Um jornal manipulador a serviço do latifúndio. Resposta ao editorial do Estadão de 24 de outubro de 2016. Por Beatriz Vargas, professora da UNB

 

A PEC 241 é luta de classes sem maquiagem

Porque a presidente do CNJ não deve entrar no jogo corporativo dos juízes. Por Eugênio Aragão

Pedro Serrano - O que parece estar ocorrendo na América Latina é a substituição da farda pela toga


EXCLUSIVO: Procuradores da Farsa Tarefa estão convictos de que o Sol é propriedade do Lula

Hoje é o PT. E depois do serviço concluído? Por Maria Inês Nassif

 

O que fazer com a Rede Globo de comunicações? Por Wanderley Guilherme dos Santos

 

Lula: Por que querem me condenar

 
Dez questões que desmontam a PEC 241, por Laura Carvalho

 

Trouxinhas foram levados no bico. #DeNovo

Dr. Toicinho comemora vitória do golpe de Estado

 

Sérgio Moro transforma STF em STC Supremo Tribunal Covarde

 

Filósofa desmascara Sérgio Moro

 

Barbárie jurídica, golpe eleitoral e desobediência civil. Por Jeferson Miola

 

Freios definidos. "Lava jato" não dá aval para juiz descumprir lei, diz desembargador do TRF-4

 

‘Soluções inéditas’ da Lava Jato têm um nome: Tribunal de Exceção. Por Janio de Freitas

 

Diferenças entre os homens e os animais, segundo Karl Marx

 

Metástase no “governo” de Temerlão I preocupa o #DrToicinho

 

Enquanto isto, na Temerlândia… e As propostas do Instituto Malignum, da Temerlândia. Por Flavio Aguiar


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário