domingo, 19 de outubro de 2014

Império se manifesta sobre eleições no Brasil



Império se manifesta
sobre eleições no Brasil


 PSDB: entreguismo certificado pelos EUA



Quatro anos esta semana
Por: Saul Leblon

O arrastão conservador exige um mutirão progressista contra os que tentam enterrar o futuro do país em um mar de lama cenográfico, de recorrência bem conhecida


Um dia após o debate em que atribuiu à adversária a responsabilidade por uma campanha de calúnia e ódio, Aécio Neves comparou a disputa eleitoral contra o PT como um desafio ‘não menor’ do que acabar com a ditadura no Brasil .

Disse-o sem ruborizar.

O candidato que hoje une dos Marinhos aos Bornhausen, passando pela The Economist — a ‘revista dos exploradores’, como diz Lula, e os detentores da riqueza financeira local e internacional, emitiu o paralelismo em entrevista na sexta-feira, ao lado da nova entusiasta da ‘mudança’, a doce Marina Silva, que não pisco, nem tossiu.

Esse é o patamar afável em que as coisas se dão do lado do conservadorismo.

Mas a campanha do PT destila agressividade.

A uma semana do escrutínio de 26 de outubro, a sofreguidão ‘mudancista’ ainda poderá melhorar esse desempenho.

Com as pesquisas a indicar um desfecho incerto, é improvável o refluxo de uma escalada que na verdade começou em 2003 e nunca cessou.

Mas foi a partir de 2005 que ganharia torque inaudito.

O universo conservador então, já com um pé na rampa do Planalto embalado pelas denuncias do chamado mensalão, tropeçou no prestígio de Lula; perdeu as eleições de 2006, como perderia novamente quatro anos depois, com a vitória de Dilma, em 2010.

As urnas pareciam impermeáveis à contrariedade das elites com o rumo de um país que, desde 2008 com maior nitidez, ousava colocar a questão do desenvolvimento social acima dos interesses plutocráticos e não hesitara em atravessar a linha vermelha ao instituir uma regulação soberana e industrializante para a exploração das maiores reservas de óleo descobertas no planeta nos últimos 30 anos, o pré-sal.

A partir do julgamento da AP 470, iniciado em 2 de agosto de 2012, que se estenderia até 13 de março de 2014, assiste-se então a mais longa, feroz e orquestrada campanha conservadora pela retomada do poder, que agora ingressa em sua derradeira e decisiva semana do assalto.

De lá para cá foram 25 meses e 28 dias de maciça, unilateral, asfixiante propaganda diuturna em rede nacional contra o PT, a sua história, suas principais lideranças, seu projeto, sua base social, seu legado ao país.

Antes, durante e depois da AP 470, o vocábulo ‘quadrilha’ foi o que de mais elegante se ouviu nesta página da história que mirava não propriamente os réus ou seus supostos delitos.

O que se semeava ali –e vive agora a etapa da colheita -- era um degrau superior no ódio de classe modulado por um jogral ensurdecedor.

Togas, mídias, colunistas isentos, mercados financeiros, agências de risco e forças da coalizão conservadora liderada pelo PSDB foram meticulosamente mobilizadas a operar a plenos pulmões.

Cada dente da engrenagem se oferecia ao desfrute do outro, em encadeamento destinado a fomentar na sociedade a sensação de um consenso condenatório que já havia lavrado sua sentença muito antes do direito de defesa e ao largo das provas e autos do processo, como se viu.

O ritual de exceção observado até por analistas não alinhados ao PT incluiria uma jabuticaba jurídica. O domínio do fato, importado do Direito alemão, foi devidamente violado à luz de holofotes, por entre aplausos calorosos da mídia.

Não havia pejo, nem pudor; para servir aos fins antecipadamente definidos, valia qualquer meio.

Consumou-se assim o moinho destinado ao esmagamento político que levaria o escritor e jornalista Bernardo Kucinski a enxergar na marcha dos pelotões em passo de ganso, um politicídio focado no firme e desabrido propósito de abduzir o PT da vida política nacional (leia ‘O politicídio contra o PT’).

Na Copa do Mundo veio o sinal de guerra aberta.

No coro de uma elite assumidamente vulgar em seu grito de guerra dirigido à Presidenta Dilma, pulsava a rejeição à ideia de que a democracia consiste em incorporar direitos sociais para se tornar, de fato, um espaço de todos. Sobretudo, dos que nunca tiveram espaço nem voz na vida política nacional.

“Hoje temos outro desafio, que não é menor do que aquele (de derrubar a ditadura), que é o de encerrar o governo que aí está, que perdeu a capacidade de governar pelo fracasso na economia, na gestão do Estado e no descompromisso com a ética”.

Nas palavras de Aécio, nesta 6ª feira, ao lado da sempre doce Marina Silva, condensa-se agora o espírito desse tecido social incompatível com os ideais que no século XVIII anunciavam a sociedade como comunidade de direitos, capaz de reconhecer em cada cidadão as mesmas prerrogativas desfrutadas pelo outro — inclusive e principalmente a de modificar a repartição da riqueza através de maiorias históricas construídas democraticamente para esse fim.

É esse o contexto da escalada que emoldurou o debate virulento do SBT, diante do qual a emissão conservadora se porta como um cronista enojado, sendo na verdade o esteio da crispação e do linchamento político que agora se condensam na fala algo deslumbrada de Aécio Neves.

A poderosa frente de interesses reunida ao longo dessa sedimentação é, paradoxalmente, restritiva ao debate das grandes questões do desenvolvimento, o que ajuda a entender o diagnóstico monotemático de seu candidato.

Em uma narrativa primária, infantilizada na descrição dos desafios brasileiros, mas palatável a uma classe média e alta que se informa pelo Pânico e pela Veja, Aécio afirma que os gargalos nacionais derivam de uma mesma origem: o PT.

A visão tosca tem seu apelo nas mentes atrofiadas pelo longo incentivo ao não pensar.

Deixe que Willian Bonner faça isso por você. Ele é pago para isso.

Aos mais exigentes, oferece-se Miriam Leitão, por exemplo.

Ou não terá sido ela que há 10 dias, em debate entre Armínio Fraga e Guido Mantega decretou o fim da crise mundial, com gesto soberbo de mão: ‘A crise acabou em 2009’, apartou um ministro da Fazenda que lhe dava aula sobre a gravidade e persistência dos efeitos do colapso global.

Em vão.

A dimensão internacional dos problemas brasileiros, seu impacto na correlação de forças que desafia a ação política para o desenvolvimento, inexiste no canto gregoriano do conservadorismo.

O problema do Brasil é o PT. O intervencionismo da Dilma.

Medicada com doses adicionais da poção que a originou, a desordem neoliberal arrasta a humanidade no sexto ano de arrocho e incerteza.

A cada sinal de dados encorajadores uma recaída espreita na esquina da mais longa e frágil convalescença de todas as crises vividas pelo capitalismo nos últimos 100 anos.

Mesmo nos EUA, onde os dados positivos adquirem maior nitidez, o subtexto da recuperação — inconteste no gestual da analista de O Globo — é feito de empregos de má qualidade, fastígio financeiro, estagnação na renda da classe média (hoje, cristalizada no mesmo patamar de 15 anos atrás) e drástico avanço da desigualdade.

Diferente dos analistas brasileiros, que esquece de consultar, a presidente do Federal Reserve (banco central dos EUA), Janet Yellen, disse na última nesta sexta-feira que o crescimento da desigualdade de renda e de patrimônio nos EUA a preocupa "demasiadamente". Está perto do seu nível mais dramático em um século, informou.

Yellen não ignora as intercorrências dessa espiral na trajetória de uma sociedade. Ao contrário do jogral conservador por aqui ela sacode a indiferença ao dizer: ‘Os norte-americanos deveriam perguntar se isso é compatível com os valores dos Estados Unidos’.

No mesmo dia em que a presidente do Fed arguia o futuro que o ajuste neoliberal está construindo, os mercados financeiros viviam um novo capítulo de abalos sísmicos.

Temores de uma terceira onda recessiva na Europa, agravados pelas evidências de uma longa estagnação nas economias ricas, da qual não se livra nem mesmo a poderosa Alemanha, que vê minguar suas importações e o crescimento (expectativa de expansão do PIB no último trimestre é de 0,3%), desencadearam uma explosão de ordens de venda nas bolsas de todo o planeta.

A deriva e a desordem do capitalismo internacional é tão grave que o seu principal bunker financeiro, o FMI, converge rapidamente para se transformar em defensor de incentivos fiscais e do investimento público, para mitigar o horizonte de um longo estancamento mundial da renda e do emprego.

Tudo aquilo que o governo petista tem feito pioneiramente desde 2008 –com resultados substantivos na oferta de emprego e redução da pobreza-- mas é tratado agora como ‘fracasso’ pelo candidato dos mercados.

A campanha eleitoral conservadora passa ao largo dessas miudezas que podem calcificar o século XXI brasileiro.

Seu diagnóstico guarda notável identidade com o gesto imperial da colunista do Globo: ‘A crise acabou’.

Ou, como prefere o ‘mudancismo’: ‘O problema do Brasil é o PT’.

O que se segue daí omite questões estruturais, abstrai conflitos, elide relações objetivas de causa e efeito, não enxerga o pano de fundo mundial. O risco desse diagnóstico leviano conduzir o país a soluções desastrosas é alto.

Por isso é necessário compensar a indigência intelectual e política daquilo que expressa a boca tosca de Aécio com uma oratória exaltada, carregada na tintura fantasiosa de um Brasil ‘devastado’.

O salvacionismo tucano impressiona durante algum tempo; em seguida satura.
Não há aderência racional entre o que se diz e o cotidiano da maioria da população: 78% dos eleitores consideram o governo Dilma ótimo, bom ou regular, diz o Datafolha.

Para contornar a decomposição desse produto de prazo de validade estreito, o discurso do ódio ideológico recusa ao eleitor o direito de refletir sobre o saldo das conquistas, equívocos e desafios acumulados nos últimos anos, de modo a formar o discernimento maduro das opções oferecidas ao passo seguinte brasileiro.

O arrastão conservador exige um mutirão progressista contra aqueles que tentam enterrar o futuro do país em um mar de lama cenográfico, de recorrência conhecida na história.

Nunca como desta vez a luta voto a voto teve tanto peso na disputa política.

São sete dias que valem por quatro anos.

Junção de tempos suficiente para que cada voto progressista lute para dobrar seu peso na urna de domingo.

À luta.




Confira também:

Mito da caverna

Blindagem total para Aecioporto do Titio ser protegido na bolha do PIG

 

2 comentários:

  1. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Muita paz.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela visita, António Jesus Batalha.
    De fato, fazemos com muito carinho esse Blog.
    Espero contar com sua presença outras vezes.
    Muita paz!

    ResponderExcluir