sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Rolezinho rentista


Rolezinho rentista


Financiado com o suor e o sangue do povo brasileiro




Em apenas um dia, Rentista Daselite é visto em três concessionárias de veículos de luxo importados adquirindo dezenas de unidades. Na agenda do sanguessuga do povo brasileiro, consta que no dia seguinte ele iria a três outras lojas para repetir o feito do dia anterior. Indagado se o dispêndio não era muitíssimo elevado, ele respondeu sem pestanejar:

"É apenas um rolezinho nas melhores marcas. Quando sobem os juros faço modesta comemoração e aproveito para renovar  e ampliar a coleção. Como é o povo brasileiro quem paga pela fatura, nem me importo sobre o valor da conta. Adquiro veículos, imóveis, ações, envio dim-dim para Cayman, especulo etc. E, é claro, tiro umas férias, pois ninguém é de ferro..."

Rentista Daselite, 45 anos, agraciado com a tolerância do Banco Central e defendido encarniçadamente pelos seus porta-vozes na mídia, no judiciário, no legislativo, no executivo etc.





O Vesúvio rentista
por: Saul Leblon 

Há um vulcão fumegando nas entranhas da economia do país. Na última quarta, ele cuspiu pela 7ª vez na cabeça da nação. Toca o baile! aconselham especialistas

Há um vulcão fumegando nas entranhas da economia brasileira.

Avisos de lava  em ebulição são  emitidos aqui e ali desde abril passado.

Na última 4ª feira, ele cuspiu pela sétima vez na cabeça da Nação.

A nova elevação de  0,5 ponto  na taxa de juro reafirma  um  desarranjo  em  profundezas intestinas. 

Vozes  tranquilizadoras  adiantam que uma 8ª, quem sabe  9ª, irrupção do Vesúvio rentista é inevitável –benéfica, de fato.

O que se passa de fato no interior da cratera  que ora urra, ora faísca e ameaça explodir tudo, é de qualquer forma sonegado à população.

Explicações sumárias, supostamente técnicas, ofuscam mais do que esclarecem.

Os juros sobem porque  é preciso conter a inflação, explica o coral que convida para o grande baile da restauração ortodoxa.

Mas ao subir não  inibiriam eles  o investimento produtivo que se persegue como crucial?

E não atrairiam fluxos especulativos de capitais, que valorizam o Real e barateiam as importações  --com efeitos dissolventes na estrutura industrial, além de inibir as exportações?

Ademais de reduzir o nível de atividade, não penalizariam  a relação dívida/PIB  estreitando  a margem de manobra fiscal do governo --antessala de cortes ou protelações de investimentos públicos  inadiáveis? (Leia  a coluna da economista  Jaciara Itaim; nesta pág)

Desse nó nas tripas  o distinto público toma conhecimento apenas pelas  irrupções intermitentes.

Copiosas considerações de vulgarizadores  asseveram a pertinência da purga incandescente. O Vesúvio, antes de ser ameaça, é bênção.
Toca o baile!  -- aconselham  especialistas em convencer nações inteiras  a dançar  no ritmo das lavas fumegante, com resultados que não deixam Pompéia sozinha no museu das catástrofes.

O  nonsense  aparente  não é aleatório –faz parte da crise.

Entorpecer a agenda do país  é um recurso constitutivo da luta pela repartição da riqueza,  que só terá  desenlace progressista se a sociedade conquistar  o discernimento  histórico do que está em jogo nesse baile de máscaras.

Distinguir  a natureza dos interesses em confronto no salão, ademais das escolhas que eles encerram  --e as suas implicações, não é café pequeno.

Requer, por exemplo,  libertar-se da hipnótica orquestração comandada a partir  do Jornal Nacional.

E adquirir imunidade aos esporões liberados pelos  vulgarizadores, que alardeiam os interesses dos endinheirados como se fossem os de toda a nação.

Interditar o debate político da encruzilhada  brasileira  é uma forma de circunscrever as opções  do país  aos estritos limites da boca do vulcão rentista.

As eleições presidenciais de 2014 se oferecem como a oportunidade concreta de ir além das lamúrias e da rendição.

Vencê-la, sem dúvida é o imperativo.

O que se deve perguntar  é como essa vitória deve ser construída para que não seja apenas inercial, mas erga pontes ao passo seguinte da luta pela construção da democracia social brasileira.

A barragem de votos pode  alterar as bases de um diálogo do qual a sociedade hoje sai invariavelmente chamuscada?

Quando o  Vesúvio  expele sua lava incandescente é como se dissesse não:
‘O Estado pode flertar com o pleno emprego, mas o estoque da riqueza financeira não deve ser depreciado; e a fatia que ele detém no  fluxo da renda é intocável’.

Ou seja, ‘mãos ao alto, isso é um assalto: passe para cá os  3% do PIB  para pagar os juros da dívida pública e garanta uma  Selic com ganho real  acima da inflação que  nada lhe acontecerá’.

É tautológico dizer que o ‘governo petista  aceita’  as condições impostas  pelo mercado.

O governo se mexe na pinguela estreita que  a atual correlação de forças reserva  à mobilidade social brasileira.

Correlações de forças, a exemplo das vantagens comparativas na esfera econômica,  são uma construção histórica de cada povo e de cada época, não uma fatalidade da natureza.

Mas  existem. E tem peso objetivo não apenas no plano interno.

Um governo que entre em choque   com a tríade rentista (FMI, agencias de risco, grandes bancos) simplesmente não encontra  um guichê internacional para se abrigar dos caças bombardeio  e assegurar um fluxo alternativo  da ordem de dezenas de bilhões de dólares .

 A inexistência desse contraponto  diz muito do aparente paradoxo entre a anemia eleitoral do conservadorismo  nativo e a sua força de sabotagem vocalizada pela mídia.

Doze  anos de governos progressistas  elevaram a participação do salário no PIB para algo em torno de 51% no Brasil ( o dado disponível do IBGE é de 2009; estima-se que tenha se mantido assim até 2012).

No ciclo tucano (1995/2003) essa fatia  oscilou entre 49% e 46%.

Estamos falando, portanto,  de uma reversão na luta pela riqueza,  que até 2003 premiava invariavelmente   as rendas do capital.

O que o vulcão rentista passou a urrar, e cada vez mais alto, é que essa espiral  bateu no teto.

‘No passara’, avisa.

O interdito afeta todo o metabolismo econômico  e contribui significativamente para agravar os impasses  em curso.

A saber: descasamento entre demanda e infraestrutura, desequilíbrio cambial, desindustrialização dissolvente  e déficit preocupante  em contas correntes.

Não é uma questão de ‘inconsistência do modelo petista’, como alardeiam os zeladores do dinheiro grosso alocados nas editorias de economia.

É uma questão de conflito de interesses.

A macroeconomia não opera em uma  dimensões celestial onde vigem os mercados autorreguláveis, os agentes racionais e seus querubins  midiáticos.

O chão da macroeconomia é a correlação de forças e os sinais são de que ela mudou o patamar de sua tensão no país.

Elevar o discernimento social sobre essa encruzilhada e se preparar para superá-la, erguendo linhas de passagem entre as eleições de outubro e o futuro, é a opção concreta que se coloca à frente progressista brasileira.

Lamúrias radicais diante de um vulcão não logram vantagem nem no quesito decibéis.

Mas tampouco aquiescer aos seus ditames garantirá a indulgência das lavas, como parece crer um certo economicismo  que aconselha ir às urnas vestido de estátua de cinzas.
 



Confira também:



“Luta de classes não existe!”, afirma o Dr. Matusalém Toicinho

Fábricas de diplomas, rentistas e vice-versa. Verba pública apenas para escola pública

Imposto sobre as grandes fortunas. Quem deve pagar: As pessoas mais ricas do Brasil

Pela auditoria da dívida pública

62 dos 100 maiores contribuintes da CPMF jamais haviam pagado IR – Imposto de Renda

Por que o PIG não quer que a Selic caia, mas suba

O coração e o cérebro da corrupção.

Mercenários

Folha de S. Paulo

Revista Veja não tem credibilidade

Metodologia da Rede Globo e sua "imparcialidade"

Pronunciamento do governador Geraldo Consumo Inesperado Alckmin

Salmo da Rede Globo: do golpe de 1964 até sempre. O golpe é o meu guia, nada me faltará

Golpe de 1964 - O apoio da Rede Globo, da Folha de São Paulo, do Estadão (PIG)



Nenhum comentário:

Postar um comentário