sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Esperando Lefty, de Clifford Odets. Leitura dramática e debate. 25 de setembro, quarta-feira, 20h



Esperando Lefty, de Clifford Odets



 Clifford Odets


Esperando Lefty, de Clifford Odets

Tradução de
Agenor Bevilacqua Sobrinho e
 Maiaty Saraiva Ferraz

Leitura dramática e debate

25 de setembro, quarta-feira, 20h

 Teatro Studio Heleny Guariba
Praça Roosevelt 184
Tel.: 3259-6940



Dados sobre o autor da peça, Clifford Odets.
Por Maria Sílvia Betti

Clifford Odets (1906-1963) nasceu na Filadélfia e tornou-se ator após concluir os estudos secundários. Em 1931 passou a integrar o Group Theater, companhia indissociavelmente ligada à renovação dramatúrgica do teatro norte-americano na década de 1930. Por incentivo de Harold Clurman, um de seus fundadores, escreveu sua primeira peça, “A Vida Impressa em Dólar” (“Awake and Sing!”), em 1935, e tornou-se, num curto espaço de tempo, o mais importante dos autores do teatro político e da dramaturgia social norte-americana dos anos 1930.

“A Vida Impressa em Dólar”, considerada sua obra-prima, não foi produzida prontamente, tendo sido precedida por outra peça de Odets também escrita em 1935, “Esperando Lefty” (“Waiting for Lefty”). Vigoroso e conciso painel épico, “Esperando Lefty” passa-se na sede do sindicato de taxistas de Nova York, e alterna cenas no presente, em que taxistas aguardam a chegada do líder sindical Lefty enquanto discutem a possibilidade de uma greve da categoria, e episódios pregressos da vida de exploração e miséria de vários dos sindicalistas presentes. O clímax sobrevém com a notícia do assassinato de Lefty, e a peça se encerra com a aclamação inflamada e unânime da greve. 

A calorosa acolhida de “Esperando Lefty” trouxe a Odets um vertiginoso sucesso artístico e financeiro. Pouco tempo depois ele viria a mudar-se para Hollywood, onde desenvolveria paralelamente uma carreira de roteirista.

“A Vida Impressa em dólar” e “Esperando Lefty” constituem críticas inequívocas ao modelo capitalista norte-americano da época da Depressão econômica, e fizeram do trabalho do autor um ponto de referência para dramaturgos jovens iniciantes na época, entre os quais Arthur Miller (1915-2005) e Tennessee Williams (1911-1983). 

Em 1953, durante o período de perseguições políticas implacáveis à esquerda, Odets foi intimado a depor perante o Comitê de Atividades Antiamericanas do Senado, presidido pelo senador republicano Joseph McCarthy. A notícia de que ele teria desmentido sua filiação ao Partido Comunista e citado nomes de simpatizantes viria a estigmatizá-lo inexoravelmente perante a opinião pública e perante todos os que o haviam aclamado como o dramaturgo do proletariado norte-americano.

Tachar Odets de colaboracionista e delator teve indiscutível interesse para a direita norte-americana, e o impacto negativo que passou a ser associado ao nome do dramaturgo foi forte o suficiente para lança-lo no ostracismo de forma irreversível.

A íntegra do depoimento de Odets ao Comitê mostra que os únicos nomes mencionados por ele eram de simpatizantes e de militantes comunistas autodeclarados que o haviam precedido, e cujos depoimentos já haviam sido anteriormente veiculados na imprensa. O depoimento de Odets permaneceu entre os documentos secretos do Comitê durante muitos anos, e o acesso ao texto só veio a se tornar público muitos anos após a morte do dramaturgo.

Odets morreu de câncer prematuramente em 1963, aos 57 anos.


A leitura de "Esperando Lefty" faz parte do projeto intitulado "Pegando o Touro à Unha", do Núcleo Teatro Heleny Guariba, contemplado com o Fomento ao Teatro. A entrada é gratuita.

Será uma oportunidade para que todos assistam a leitura da peça, marco do teatro de agit prop nos Estados Unidos, e para que conheçam o Teatro Studio Heleny Guariba, os atores de seu Núcleo e sua diretora, Dulce Muniz, atriz e militante histórica do teatro político no Brasil.


Por Maria Sílvia Betti 




Participe da Enquete (no alto, à direita):
Joaquim Barbosa, presidente do STF, praticou crime contra a honra do
ministro Ricardo Lewandowski ao dizer que ele pratica "chicana"?
Confira também:


Quais as maneiras de matar mais frequentemente adotadas pelos EUA?
Por que mais uma guerra? Não existe capitalismo sem guerra!

O Decálogo ou Os dez Mandamentos da Lei de George Bush.

Repertório do Dicionário George Bush e falcões, para leigos

Desculpas não bastam, Rede Globo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário