segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Ensino a Distância. Mantenha Distância



Ensino a Distância. Mantenha Distância.


Mantenha Distância!

As empresas “educacionais” economizam salários.
Os professores são sobrecarregados de trabalhos adicionais.
Os lucros vão à estratosfera.
Os professores perdem aulas e ficam desempregados.

Atender 500,
5.000 ou 10.000 estudantes?
Tanto faz! A virtualidade é aberta a números enormes.
Os dividendos das arapucas “educacionais” são ampliados,
Enquanto a precarização do trabalho é intensificada em graus dilatados e sem freios.

Inerte, o MEC faz vistas grossas.
E os barões da “educação” festejam a impunidade.

Cuidado com as propagandas de instituições de “ensino”.
Elas estão preocupadas com seu bolso.

Aprendizagem?
“Para quê?”
Qualidade?
“Por quê?”

“Preocupações inúteis.”
“Basta pagar em dia as mensalidades.”
“É a melhor demonstração de um sujeito cumpridor de seus deveres.”

Pense nisso!
Quando ouvir falar em Ensino a Distância, cuidado!
Mantenha Distância.


PS. Declaração de um barão da "educação":

"A cada dia que implanto o EAD, economizo 20% em salários, água, luz etc."

Corolário: precarização, demissão etc.

Ou seja, o MEC será questionado "se pode ser EAD todos os dias".

Economia total. Mais-valia absoluta!


2 comentários:

  1. Eu comecei a estudar pedagogia pela Unopar Virtual. Até que não é ruim. O problema é que não se exige muito do estudante e é muito mais fácil "passar".
    Fiz o ENEM e o vestibular para a UFRJ e estou muito satisfeito em estudar Pedagogia lá no Campus da Praia Vermelha. A minha faculdade (Educação) é muito mais exigente e, claro, minha formação será melhor!! Abraço

    ResponderExcluir
  2. EAD é um engodo,primeiro a instituição que presta este tipo de serviço visa somente lucro, degradação da classe de professores e o aluno que se presta a esse tipo de educação não está muito interessado em uma formação de qualidade, e sim num diploma ou ele é muito ingenuo e vai levar gato por lebre e só verá o problema diante de uma seleção de emprego decente, claro. O pior de todos é o MEC que dá carta branca a esses tipos de pilhadores e oportunistas, que vendem um produto já com defeito(olha a lei do consumidor antes de entrar numa faculdade destas)e promove descaradamente a precarização financeira, moral e intelectual dos docentes que muitas vezes, sem alternativa, se rendem, por necessidade, e coação a esse tipo de trabalho. EAD tem limite, e é valido principalmente onde não há recursos humanos para atender uma demanda, mas nunca poderia ter chegado onde chegou, com total anuência de nosso governo e que em última instancia promove educação e formação de fato. Cuidado, hoje tem ENEM, um monte de faculdades públicas ampliando-se pelo Brasil e boas faculdades e universidades particulares que dão bolsa. Lembre-se que a data de validade de um diploma desses expira nos primeiros testes de verdade: o emprego e a permanência nele.

    ResponderExcluir