sexta-feira, 22 de julho de 2011

Entrevista exclusiva com Dr. Toicinho, CEO do PIG desde 1939





Entrevista exclusiva com Dr. Toicinho, CEO do PIG desde 1939



O PIG por ele mesmo 


Leia abaixo os principais trechos da entrevista.

Sobre Getúlio Vargas e João Goulart:

O Getúlio se matou? E daí? Estava atrapalhando nossos planos. Mar de corrupção jamais visto. Também com ideias idiotas de defender os trabalhadores... Olha aqui, quem está no poder tem que atender os poderosos! Essa historinha de classes populares é blábláblá. Populares são para trabalhar e ser ordeiros... Está faltando é civismo. Por que o povo não vai para as ruas protestar contra a corrupção?

O Ministro do Trabalho do Getúlio, esse tal de Jango, a gente sabia que ia dar muito trabalho para a classe produtiva... Melhores salários? É o fim do mundo... Onde já se viu uma coisa dessas? Trabalhador é para trabalhar, rico é para enricar... Essa conversa mole de distribuição de renda é coisa de vermelhos, a distorção da lei da gravidade. O dinheiro corre para o mar: o bolso do rico. O dinheiro do pobre é para pagar a condução em nossos ônibus, a alimentação em nossos restaurantes e os produtos nos nossos supermercados. E, o mais importante, o despertador para acordar na hora certa e não chegar atrasado ao trabalho, como é característico de gentinha vagabunda.  Quaisquer outras coisas devem ser deliberadas por nós.

Quando esse Jango assumiu a presidência, apesar de nossos esforços para impedi-lo, resolveu fazer populismo, demagogia. Reformas de base... Que base ele tem para reformar o quê? Nem consultou a gente. Temos know-how e poderíamos fazer avanços.


Sobre ditadura militar e tortura:

Mas Jango preferiu seguir Moscou. Fomos obrigados a depô-lo. Assumimos compromissos com as Forças Armadas, com Washington e demais parceiros. Não podíamos assistir de mãos atadas ao esfacelamento da democracia e entregar de mãos beijadas aos comunas todo o potencial do Brasil e o que ele iria nos proporcionar...

Pensa que a gente é trouxa? Antes de a patuleia assumir o poder, que não é o lugar dela, diga-se de passagem, nós fizemos a Revolução. A Redentora que salvou o Brasil do comunismo ateu e encheu nossos cofres de tal forma que não tínhamos mais como calcular tantas bonanças, vindas das graças de Deus e, é claro, de a gente mexer nossos pauzinhos, porque oração sem ação não leva a nada. E Deus só dá em dobro para quem alcança o quíntuplo por conta própria. Essa história de só rezar é para os pobres... E é na pobreza que eles devem permanecer para não serem desnaturados. Deus organizou as coisas de maneira perfeita. Cada macaco no seu galho. Esse é um provérbio genial criado em nosso Conselho de Administração... Rico na riqueza e pobre na pobreza... Essa é a lei da natureza e do Senhor... Caso venhamos a querer alterar a realidade, o mundo sairá de órbita... Cruz-credo, Ave-Maria!

Tortura? Você deve estar brincando! Como disse nosso correligionário Lobão, os comunas não iam às manicures... Precisamos arrancar umas unhas encravadas, que atrapalhavam os vermelhinhos. E nem agradeceram... Ficam reclamando e só pensam em revanchismo... Esse mundo está mudado mesmo. E para pior! A gente faz um favor a esse pessoal desclassificado, tira foto no DEOPS sem cobrar, dá umas sacudidelas no esqueleto do elemento, testa alguns aparatos elétricos em suas regiões, observa os limites de dor que pode suportar, dá um sumiço no cara... E o que recebemos em troca? Comissão de Direitos Humanos pra cá, protestos de lá. Olha nosso exemplo histórico, a Santa Inquisição. Queimava os comunas da época para purificar a alma deles. Nós fizemos o mesmo. A diferença é que aperfeiçoamos os nossos aparelhos. Vamos lembrar que não podemos virar as costas para os avanços da ciência.

Exportamos tecnologias de tortura? Meu filho, business, business... Não podemos negar a nossos aliados nosso know-how. Eles pagaram... Se o dinheiro é de Washington ou da Inglaterra, qual é a diferença, meu filho? Dinheiro, money, argent, dinero... Nossas contas bancárias detestam discriminações.

Anote aí: Está faltando é civismo. Por que o povo não vai para as ruas protestar contra a corrupção?


Sobre o acesso de pobres à classe média, aos aeroportos e às universidades:

É a subversão o que está acontecendo! Pobre em aeroportos somente para esfregar o chão e os sapatos de gente de bem, a que tem bens, entendeu? E olhe lá! No primeiro caso, é melhor fazer a limpeza de madrugada, para não macular nossas vistas com a cara do pobre e seu cheiro desgraçado. No segundo, a gente usa um jornal para evitar paisagens desagradáveis.

Essas filas intermináveis, pobres por toda parte... É a decadência moral do país. Os macacos saindo de seus galhos, indo para lugares não permitidos, causando turbulências na sociedade, deixando os ânimos crispados, incitando as classes produtoras a baterem as portas dos quartéis, a negociar com os banqueiros um paradeiro à ignomínia. Como diz nosso correligionário Jabor, a crise é interminável e escândalos se sucedem... Pobres só devem entrar nos aviões para executar a faxina...

E nas universidades, então? Tudo está de pernas para o ar. Ao invés de estarem limpando os corredores, os pobres estão nos bancos escolares. Essa mistura é sinônima de degeneração da moral e dos bons costumes. É a degradação! Mengele já nos advertira a respeito... Esse mundo está sem norte. Vamos escrever um editorial firme e esclarecedor a respeito de nossas posições para zelar pela retidão do universo.

Não sei se eu já disse... Está faltando é civismo. Por que o povo não vai para as ruas protestar contra a corrupção?

Uma coisa eu posso te garantir, meu filho. Anote aí: No governo do Estado de São Paulo não existe corrupção. Não devia, mas vou lhe dar a fonte dessa informação: Os diretórios municipal, estadual e nacional do PSDB.



Nota deste Blog

Em tempo: Para acessar as demais ideias do PIG, basta ler (se tiver paciência) o que escrevem seus diligentes prepostos nos jornais e revistas piguianos.



Quero colaborar com o Blog do Agenor Bevilacqua Sobrinho

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário