terça-feira, 3 de maio de 2011

A fonte secou





A fonte secou














Quando não chove na horta, a penúria toma conta.
Reza, reclama, resmunga.
Tenta procurar uma causa para o infortúnio,
Imaginando tratar-se de injustiça divina.

Porém, as evidências apontam para os próprios atos.
Caem os telhados e as paredes.
O chão, em sintonia, também desaba.
A desintegração é acelerada e nada poupa.

Atônitos, os caciques do DEM observam o esboroamento.
A sigla de interesses conservadores é desidratada diariamente.
O fosso entre os interesses mercantis defendidos e as demandas populares é imenso.
O condomínio de reacionários busca abrigar-se em outras siglas.

DEMolição de ideias emboloradas.
DEMissão pelo povo de retrógrados.
DEMonstração de insensibilidade às necessidades populares.
DEMorou para implodir.

DEM.
Aqui jaz.
Não deixa saudades.
Já vai tarde!

Nenhum comentário:

Postar um comentário