domingo, 20 de março de 2011

Crédito pessoal “barato”. Zogbi se apoia em celebridade popular


Crédito pessoal “barato”. Zogbi se apoia em celebridade popular

Na semana anterior, nos valemos do registro histórico para observar as reincidências ideológicas no meio publicitário. Agora, lembraremos outra peça que se apoia em celebridade popular para induzir psicologicamente os incautos telespectadores pelo carisma de artista consagrado. Nosso sistema econômico tem predisposição em destruir a memória. Nós, ao contrário, trabalhamos para reconstruí-la e sedimentá-la.

Chama atenção o recurso impetrado por consumidor, mas a resposta do Conar, como sói acontece, é admirável exemplo de autismo.

Netinho, cantor popular, risonho e carismático, é o âncora da campanha da financeira Zogbi (hoje, pertencente ao grupo Bradesco), que promete dinheiro a baixo custo. Na época, momento de estagnação econômica e desemprego, pessoas desesperadas para obter empréstimos para saldarem seus compromissos. São situações propícias para toda sorte de engodo. Vamos passo a passo.

“As taxas são as melhores do mercado: X% ao mês.”. Ora, qual é a base de comparação e quais são os outros ofertadores de créditos e o que de fato eles oferecem? Como saber se se está ou não bem informado sobre as taxas cobradas no mercado para se concluir que a da Zogbi seja a menor? Menciona-se que os concorrentes têm taxas mais altas, e os que não se utilizam dos serviços da Zogbi estariam sendo enganados, perdendo dinheiro. Em última instância, sendo “loucos” por rasgarem (desperdiçarem) dinheiro (Anexo E, § 5-b).

“As melhores taxas” não resistem a uma pesquisa adequada. Em diversas instituições se encontram taxas até 50% menores (½ de X) do que as supostas “melhores” da Zogbi. Logo, o desprevenido embarca num navio que pode acelerar seu naufrágio financeiro.

A despeito do sorriso do cantor, que procura cativar seus fãs em situação econômica delicada, dizer que o crédito é expedito e sem obstáculos (“fácil e rápido”) é omitir a exigência de documentos que o processo burocrático determina e que podem, por isso mesmo, impedir a concessão do crédito àqueles que tiverem pendências impeditivas. (Anexos E, § 1º). Ademais, como diz o poeta, “no meio do caminho havia uma pedra”. Linhas e entrelinhas do contrato que elevam de fato os percentuais a incidir sobre as parcelas devidas.

A seguir, a impressionante decisão do Conar.

“Zogbi – crédito pessoal”

Representação nº 201/03
Autor:
Conar a partir de queixa de consumidor
Anunciante e agência: Zogbi e Giacometti & Associados
Relatora: Cristina de Bonis
Decisão: Arquivamento
Fundamento: Artigo 27, n° 1, letra a do Rice

Para consumidor de Niterói (RJ) publicidade da Financeira Zogbi induz a erro as pessoas, principalmente as mais pobres ao usar depoimento do cantor Netinho em filme para TV onde este afirma já ter recorrido à financeira para comprar remédios. Teme o consumidor que alguém possa imaginar, ao assistir o filme, que a financeira pode dar o dinheiro por questões humanitárias.

Em sua defesa, Zogbi considera que a denúncia do consumidor não tem fundamento objetivo, refletindo a imagem negativa que as entidades do mercado financeiro têm. A defesa considera que o filme traz em vídeo e áudio as informações pertinentes a uma peça dessa natureza.

A relatora não vê possibilidade do filme induzir a erro. Por isso, propôs arquivamento, voto aceito por unanimidade.


Infrações:

Artigos 1º, 5º, 6º, 15, 19, 20, 23, 25, 27 e 37.

Anexo E, §s1, 4 e 5-b.


Nenhum comentário:

Postar um comentário